A Menina que queria conhecer o Mundo

A Menina que queria conhecer o Mundo

00:00 / 00:00

Sinopse

Trata-se de um conto infanto-juvenil, para criança a partir de 5 anos, narrando a trajetória de uma criança cega, superprotegida, pelos pais e que queria descobrir o mundo externo ao seu micromundo familiar. Apresenta atividades, passeios, oportunidades de vivências repletas de aprendizados que a levam a inclusão social entre outros fatores.  
Caracteriza-se por ser texto pioneiro, por possuir conteúdo vivencial, pois além de ser um conto infantil, descreve itens com formas, texturas, dimensões, incluindo vocalizações de animais, sons diversos e os oriundos da natureza, para dar oportunidade de crianças cegas descobrirem o que apenas podem imaginar. Ele as incentiva a apurarem, também, paladar e olfato, além de outros itens e sugere aos pais, atividades, situações e oferece dicas que podem auxiliar seus filhos a descobrirem o mundo de forma mais fácil, lúdica e educativa, ao tempo que propiciam superação. Trabalha com o imaginário das crianças e sua liberdade de criação.  
Para a consecução deste audiobook, contei com o valioso trabalho de profissionais de alta envergadura técnica, para darem mais vida e emoção à estória em foco. A narração foi feita pela narradora e dubladora Monica Rossi, uma profissional de renome nacional e o trabalho de sonorização e mixagem realizado por Laércio Salles, profissional responsável pela sonorização das novelas da TV Globo. Tive orientação e consultoria técnica de Virgínia Menezes e Henriqueta Flach, adultas, ambas cegas, e, de comprovada competência nessa área. O audiobook é mais uma obra integrante da marca “Escrita com Afeto”.
A estória está dividida em 3 partes e contêm 26 capítulos, tendo dois voltados para motivação dos pais e responsáveis e possui 7 h e 35 m e 29s de gravação.
Pelo que pude apurar juntos a profissionais que trabalham em serviços sociais, áreas pedagógicas e de reabilitação infantil, o livro pode ainda auxiliar, em muito, a crianças que estejam doentes, acamadas e/ou hospitalizadas, excluídas de vivências externas, como também a adultos portadores de limitações mentais e que apresentam quadro de idade mental compatíveis com crianças, além de analfabetos. Outra sugestão que recebi foi de utilizá-los para idosos, internados em clínicas geriátricas, utilizando o conteúdo para motivar suas recordações e experiências, além de fomentar o incremento de resgate da memória.
Não se trata, pois, de um livro falado, onde narradores leem algum conto ou romance literário escrito para leitores videntes, e sim de uma obra específica para os que só podem criar elementos imaginários e os trazer para mais perto da concretude e da realidade.  

Autor

Ana Cristina Pereira Vieira é Museóloga, Analista Ambiental, pós-graduada em
Administração de Museus e escritora. Foi Chefe da Seção de Atividades Educativas e Culturais do Museu Imperial (7anos); Coordenadora de Extensão Cultural do Jardim Botânico do Rio de Janeiro (7 anos), tendo sido Diretora do Museu do Meio Ambiente. Coordenadora de Cultura do Parque Nacional da Tijuca por 15 anos e Chefe Substituta por 6 anos. Ganhou Prêmio de Mulher do Ano, Categoria Meio Ambiente em 2003, (Conselho Nacional de Mulheres do Brasil) e, em 2012, Medalha de Honra ao Mérito: 80 anos da Escola de Museologia. Montou em sua trajetória profissional 127 exposições de caráter histórico, artístico e científico. Aposentou-se do Serviço Público Federal em 2013.
Como escritora publicou dois livros:” Lazer e Cultura na Floresta da Tijuca” (2001) e “Uma Floresta na Metrópole” (2010). Possui 4 artigos publicados em livros técnicos. Em 2021 editou um audiobook para crianças com deficiência visual, intitulado “A Menina que queria conhecer o Mundo” e está com mais 3 livros em fase de pré-edição: “Alzheimer. Além do Amor o Cuidado”, “Jardim Botânico. Um bairro e sua história”, a 2a edição ampliada do livro “Lazer e Cultura na Floresta da Tijuca.